Seguidores

segunda-feira, 24 de julho de 2017

idade sem data




com laço de seda cingi a cintura
fiquei a menina da brincadeira
ouvi as vizinhas dizer com ternura
sai à mãe quer queira, ou não queira

debruço-me à janela, o mundo é meu
ouvindo as pombas num arrulho louco
já se põe o sol, escurece o céu
e os lírios vão crescendo. pouco a pouco

mil vezes se repete  minha imagem
nas águas do rio que corre por perto
a mágoa vive o sorriso está de passagem
já nada regressa e é o futuro incerto

surge a dama da noite, toda claridade
adormecem as margaridas no monte
preciso de afecto mas vem a saudade
que percorre hoje e amanhã m' horizonte

e as bonecas de trapo sorriem pra mim
choram os salgueiros a sua solidão
com as tílias em pranto vão chorando assim
mas a mágoa é minha consomem-se em vão

já não sou menina sou mulher feita
sou raiz funda agarrada a este chão
a palavra é minha garra que quero perfeita
só o tempo me traz  profunda solidão

pode a saudade gritar-me na garganta
pode o vento voltar de novo quedando-se no jardim
narcisos deixarei em poesia ...tanta!
que também restará  saudade de mim...

natalia nuno
rosafogo

Sem comentários: