Seguidores

sábado, 14 de outubro de 2017

saudade de quem?...



ondulam fortes ventos numa melodia constante
e como eles meus pensamentos
num confiado sonho distante
como pássaros migratórios, levam de mim
saudade...
a vida começa como se nova fosse
numa plenitude difusa subtil e doce
entrego corpo e alma à brisa, à claridade
ao que nunca vem,
ao que não existe,
à saudade... saudade de quem?
caem folhas de outono moribundas
já mal me conheço,
chega a tarde declinante
é o fim do começo
aos meus ouvidos um ruído distante
passam os dias da minha vida
geme neles o silêncio e a escuridão
como se nunca mais pudessem ser
senão,
dias de solidão.

ficou para trás a primavera das amendoeiras
brancas,
que nostalgia!
extraviaram-se meus olhos
desse vínculo que me seguia,
permaneço com olhar de criança
perdido na lonjura,
e minhas mãos são asas de frescura

esqueço o outono da vida que se vai alterando
tento distanciar a pressa
e na emoção do caminho,
o amor sempre regressa
com tenacidade vou sonhando
e recordando o muito que vivi
pássaros ardentes, borboletas às cores
viajantes nas  nuvens, amores,
boa parte das coisas simples que nunca esqueci.

natalia nuno
rosafogo






sábado, 30 de setembro de 2017

já mal me lembro....



nuvens vieram sombrias
nada me dizem afinal
promessas de melhores dias
neste meu tempo outonal
não está distante a entrega
meus sonhos são o que são
na alma folhas secas, no coração
a vida que dele já despega.

cantei às flores da primavera
chorei com o som do ribeiro
por ti meu coração ficou à espera
à tua espera o tempo inteiro...
amadurecem os frutos na horta
e eu no meu destino solitário
mas o coração não fecha a porta
e vou desfiando este meu rosário

trago de prata meus cabelos
e na saudade vou caminhando
e se me vires a desprendê-los
é porque m' sinto ave d'céu voando
voando entre um nevoeiro espesso
por entre cedros e abetos
à procura de quem nunca m' esqueço
em busca do amor... e de afectos!

rugas do meu rosto  são bofetadas
que vou levando a torto e a direito
há nele risos e lágrimas escancaradas
enquanto o coração bate no peito
desenfreado tempo que tudo arrasas
por isso são tristes minhas razões
vontade esta de voar já sem asas,
aceito este viver de sonhos e ilusões.

natália nuno
rosafogo




passado irrepetível...



na ternura da tarde
trago a mim pedaços de recordações
um vício que me satisfaz
que me preenche o vazio
e me traz a paz
as palavras saltam-me dos lábios
renasce nelas a vida toda
e com intensidade ,os momentos
que não sei esquecer
e me dão alento e vontade de viver

um frio silêncio me aguarda...
nego a solidão, sonho com o vento
nos pinheiros do meu outono
vivo!... não deixo o sonho ao abandono!
no silêncio da noite surda
sinto saudades do tempo perdido,
do calor dos sonhos tão nossos
do amor enlouquecido
do passado irrepetível
que só pode ser recordado
com tanta ternura, alegre como rouxinól
em mim despertado...

chega o oculto regaço da noite
chegam aves de sonho à minha mente
trazendo o aroma da murta e do jasmim
com sua esbelta simplicidade
e cresce em mim d'outros tempos
a saudade...

natália nuno
rosafogo


quinta-feira, 28 de setembro de 2017

abraça-me...




não sei onde escondi a solidão
recordo-me que senti frio...
agora que sorrio,
aliviou m'coração
enquanto tu dormes a meu lado
eu digo que te amo
mesmo sem estares acordado.
ouço a tua respiração
contemplo o teu rosto sereno
pesponto sonhos de esperança
e  visto traje de menina
nossos corpos íntimos numa dança
encontram-se como no primeiro dia
chegam-me da recordação,
horas cálidas de harmonia...

nos momentos absurdos do meu esquecimento
ensombram-se meus olhos
despojam-me do sono
chega o tempo lento
e o medo do abandono

nego a solidão
vivo a intensidade dos momentos
espelhados dentro do coração,
as recordações oferecem-nos longevidade,
sinto o fogo da felicidade e a paixão pela vida,
abraça-me que me sinto protegida
sou o súbito amor que sempre renasce em ti
hoje, porque o tempo ficou longe de nós
a solidão aboli...

natalia nuno
rosafogo





domingo, 17 de setembro de 2017

semeando palavras...



e estava ali de olhar longínquo
distante de si, a evadir-se
da máscara que os anos gravaram,
com o corpo sem esplendor a querer
encobrir-se...
e no sonho, um comboio de ideias...
na memória turva ainda aquele amor
aquele, que sempre lhe trouxe ansiedade
- sonho baldio o seu sem piedade
que insiste ser sua companhia,
dia após dia.

e estava ali escutando o vento
e as memórias lhe surgiam, não
sabia donde... quem sabe do infinito?!
e sem alento escutava o eco do seu
próprio grito...

e estava ali, escutava a alma errante
e comovida
perdendo a força e o rumo
distante de esperanças, envelhecida
desfeita como o orvalho da manhã
o fumo do fogo quase extinto
- alma que chora por dentro, enquanto o futuro
já perto, murmura,
tempo duro, desprovido de ternura
que o coração recolhe com dor
e tenta afogar num nó.

e estava ali lavrando versos com dó
de si mesma, memoriando os dias
tocando a estrela que ainda a encandeia
esquecendo o que a rodeia, desgastada
é tudo e é nada,
enquanto palavras semeia...


natalia nuno
rosafogo



terça-feira, 29 de agosto de 2017

no vazio do verso...



a minha taça está cheia
cheia de mel e de fel
meu passado não é água nem espelho
é um cesto onde guardo vivências dum tempo velho
q' apaziguam meu coração
chão outonal sem folhas nem flores
raízes que crescem dentro de mim
onde só os sonhos tem odores
a jasmim...

os meus ombros dobram-se ao peso da idade,
enquanto o inverno estás prestes
a trazer-me a nostalgia
na última sombra do último dia
nos meus lábios há suspiros que a saudade
sustenta,
e me sinto menina que sonhos inventa,
mas na minha tarde já o sol declina
e os ventos avançam no corredor da mente
fustigam os pensamentos,
e quebram-me a alegria.
só o sol nascente
me trará com clemência, um outro dia

a minha taça está cheia
do ontem e do hoje
ficou meu rosto ausente
e já a vida me foge.
se insisto em ficar,
ela insiste em me desfolhar
despejo mais um cálice na estação que nada traz de volta
mas o sonho me impede de acordar
e no vazio do verso minha alma se solta...

natália nuno
rosafogo

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

lenta existência...



é tarde, geme a escuridão
fim do dia, noite negra de solidão
a aldeia está morta, cheira a terra molhada
gotas caindo do arvoredo
desperta-me uma sombra alada
pousa perto uma pomba sem medo
hoje nem o sol lavrou o céu
nem deixou cintilação dourada
a nostalgia atravessa a rua
chega fervorosa a lua...
lenta existência, cega ilusão
restamos nós, os de então!

mato o tempo sem pressa
a aldeia enche-me os olhos
cegos de ternura, a infância regressa
à emoção do caminho,
com a imagem e os sonhos
que tive então, amo o silêncio,
nele me aninho.

passaram anos velozes e lentos
restarão as chuvas dos esquecimentos
em evidência a menina nos seus pensamentos
espanta o frio que à vida lhe chegou
sente a liberdade
e ainda o fogo da felicidade
que em si perdurou...

natalia nuno
rosafogo